Jequié terá difícil batalha contra o líder Juazeirense dia 17

O recém-contratado treinador do Jequié (ADJ), Carlos Veloso, tem quase uma semana para definir seu estilo de jogo já para o difícil compromisso do próximo dia 17FEV18 (sábado), em Juazeiro, diante do líder do Baianão 2018, Juazeirense. O time deve viajar para a ‘capital’ do Norte da Bahia na quinta-feira. A escalação será anunciada no dia da partida, pois a mesma depende também do departamento médico, já que alguns atletas se encontram em observação. Veloso comandou o Jequié na vitória contra o Atlântico (1×0) e viu de perto erros e acertos da equipe que soma 10 pontos e está na zona de classificação desde a primeira rodada do Campeonato. O setor defensivo, por exemplo, conseguiu corrigir problemas como desatenção que lhe custou caro, principalmente contra o Bahia de Feira, quando sofreu dois gols de bola parada. O meio campo tem demonstrado pouca criatividade e não raro acaba envolvido pelos adversários. O último passe também precisa ser aprimorado para um melhor aproveitamento da velocidade de Marcelo Pano e outros que sempre chegam oferecendo perigo. As jogadas ensaiadas, que já renderam bons frutos ao time também precisam ser aperfeiçoadas, além da manutenção do ritmo de jogo, já que o elenco está bem condicionado fisicamente, para não levar sufoco como tem sido comum na atual temporada. A diretoria da ADJ informa que o preparador físico, Caio Cezar, de agora em diante passa a atuar também como auxiliar-técnico.

Caio Cezar assume função de auxiliar-técnico da ADJ.

Presidente Leur Lomanto Júnior diz que a arbitragem tem prejudicado a ADJ no Campeonato Baiano
Desde o início do Baianão 2018, os erros cometidos pela arbitragem contra o Jequié (ADJ) têm se repetido e comprometendo claramente o time. Esse comportamento da arbitragem tem preocupado o presidente da equipe Leur Lomanto Júnior. o dirigente tem reclamado constantemente dos erros de arbitragens nos jogos. De acordo com o presidente, parece que existe um complô contra a ADJ, por ter subido para a série A. “A arbitragem está sempre prejudicando o nosso time. É notório o corporativismo que existe entre os árbitros para beneficiar, sobretudo os times da capital”, reclamou.