“Pessoa que não presta serviço para a Prefeitura estaria na folha de pagamento da Cooperativa”, aponta relatório

O Blog jequieeregiao.com.br teve acesso a decisão da Desembargadora Federal Maria do Carmo Cardoso em que destaca: “Segundo noticiado pelos vereadores teriam sido verificadas diversas irregularidades nos processos de pagamento relativos aos “cooperados” da ATIVACOOP, tais como:

* valores repassados para a Cooperativa, com total descompasso com a remuneração recebida pelos trabalhadores, que receberiam menos de 50% do valor apregoado pela Cooperativa como sendo a respectiva remuneração do trabalhador, demonstrando um sobrepreço injustificado no valor cobrado junto ao município;

* possível pagamento de diversas secretarias, além da Secretaria de Educação, por meio da verba do precatório do FUNDEF, caracterizando assim aplicação indevida de recursos públicos;

* pessoa que não presta serviço para a Prefeitura estaria na folha de pagamento da Cooperativa como sendo prestadora de serviços;

* os prestadores de serviços da Cooperativa não seriam cooperados de fato, mas sim empregados, em relação aos quais seriam suprimidas verbas trabalhistas como FGTS, por exemplo;

* possível acréscimo fictício de horas extras e diárias pagas a  funcionários/cooperados, sem a devida comprovação dos nomes na lista de pagamento, o que poderia se tratar de um superfaturamento das notas apresentadas, com vistas a promover o desvio de dinheiro público.